• amo medicina
  • Posts
  • você já ouviu falar no termo “matéria escura”?

você já ouviu falar no termo “matéria escura”?

você já ouviu falar no termo “matéria escura”?

Reprodução: GIPHY

na cosmologia, esse termo refere-se a uma grande quantidade de matéria de natureza desconhecida que provoca efeitos impactantes gravitacionalmente na dinâmica das galáxias e até mesmo no universo 🪐.

tá… mas o que isso tem a ver com medicina?

no segmento da saúde, o termo “matéria escura” foi dado a uma área do conhecimento genômico que pode alterar a forma de detecção e tratamento dos tumores, de acordo com um novo artigo publicado pelo Instituto de Pesquisa do Câncer, no Reino Unido.

🧑‍🔬 cientistas desvendaram alguns detalhes curiosos sobre o papel da epigenética - estudo sobre como os genes são impactados pelo meio ambiente - na forma de como ocorre o desenvolvimento do câncer.

através dessa pesquisa, entende-se que a epigenética poderia levar a novos exames para diagnosticar a doença ou até a personalizar os tratamentos que serão oferecidos a cada paciente.

no entanto, pelas pesquisas ainda estarem em estágio inicial, essa novidade ainda está muito distante da realidade da medicina.

 "Descobrimos um nível extra de controle sobre como os tumores se comportam — algo que pode ser comparado à 'matéria escura' do câncer".

Trevor Graham, diretor do Instituto de Pesquisa do Câncer

em entrevista à BBC, ele disse que podem existir “emaranhados nas linhas de DNA” conforme as sequências genéticas se desdobram em cada cédula, podendo mudar quais genes são ativados.

esse novo fenômeno, que pode ser fundamental para determinar o comportamento e a aparição dos cânceres, ainda vai demorar um pouco para aparecer nos atendimentos, mas, de acordo com o especialista, é uma nova alternativa para o desenvolvimento de novos tratamentos.

ao contrário de outros testes genéticos para mutações relacionadas ao câncer, que oferecem apenas quadros parciais sobre a doença de um indivíduo, como o BRCA, a ideia é que os testes das mudanças genéticas e epigenéticas possam ser mais precisos nas previsões dos tratamentos mais assertivos para cada pessoa.

https://lp.euamomedicina.com/inscreva?utm_source=email&utm_medium=org%C3%A2nico&utm_campaign=imagem-post

Join the conversation

or to participate.